Pablo Andery

Photo by Sasha Freemind on Unsplash

Sou a profundeza dos escombros,
Ou os escombros do que há de profundo em mim.
Não quero lhe vender a ideia de que eu ser profundo pode fazer com que você também o seja.
Mas, se mostrar a minha cara lhe faz pensar sobre os seus (escombros),
Eu quero fazê-lo.

Ainda que a cara seja o superficial do que sou,
A evidência do rosto cansado é o passo preciso para o rasgo do peito sombrio.
Porque se o que há em mim fica em mim, eu mal sei o que se passa aqui dentro.
E eu não sei você, mas há tempo que me canso de deixar palavras ao vento.

Eu sou minha loucura e minha raiva,
Minha divagação e meu amor não expresso.
Eu sou reflexão. Simples. Confusa.
E que seja difusa, para que não seja em vão.

--

--

Pablo Andery

Pablo Andery

(Metido a) escritor. Ex-tímido. Engenheiro não praticante. Pago de engraçadão em interações sociais. Não gosto de alho.